domingo, 27 de julho de 2008

Como caixinha de música

Hoje não ouvi a voz do profeta nem da insegurança. Só escutava os passos da bailarina insone que se debruçava sob a música, como um sabiá se entrega ao deleite do vôo mais alto.
Resolvi viajar junto com as lembranças, viver de novo o tempo que a vida parecia vida, que os doces eram de açúcar e que as lendas eram reais.
Eu tentei voltar no tempo, mas num descuido escorreguei nos ponteiros e até agora estou rodopiando sem achar a hora certa. Acho que dessa lembrança não saio mais. Se sair: saudade!
Enquanto tudo é confusão, sinto-me no clímax de uma orquestra sobre os pés da bailarina que dança segura como se estivesse guardada numa caixinha de música.

4 comentários:

Miss WC disse...

E a bailarina rodopia! Feliz aniversário Morganna!

Leonardo Werneck disse...

Huuumm gostei daqui

Maria Fernanda disse...

Que coisa mais linda de ler.
Ficou super fofo esse canto novo!

beijo doce ;*

Juno disse...

Una Bailarina en la Oscuridad