segunda-feira, 6 de julho de 2009

Requiem for a dream

"Por que ser pertencente é entregar a alma a uma Cara, a de áspide
Escura e clara, negra e transparente.), Ai!
Saber-se pertencente é ter mais nada.
É ter tudo também.
É como ter o rio, aquele que deságua
Nas infinitas águas de um sem-fim de ninguéns.
Aquela que não ter pertence não tem corpo.
Porque o corpo é um conceito suposto de matéria
E finito. E aquela é luz. E etérea."
"Cantares" - Hilda Hilst.

Hilda Hist nem precisou graduar-se em física para conceituar a matéria e o seu espaço. E eu... uma cretina deslumbrada, tentando apegar-se a um verso, uma manhã chuvosa e Mozart para começar a viver arbitrariamente na segunda.
Ai- Ai... preciso de tantas coisas para conceituar as outras...

4 comentários:

Marina disse...

Algumas pessoas só precisam das palavras para conceituar o mundo em que vive. Deixar palavras para ser conceito de outras é tornar-se imortal. Meu sonho é ser imortal. Pena que parece tão distante.

Jessika disse...

Parece distante porque,na verdade, a imortalidade não existe.

Dianety disse...

Eu também, preciso de palavras alheias.. parecem às vezes que as minhas não são suficientes (embora eu saiba no fundo que é apenas incompetência para expressá-las rsrs)

Bárbara (B.) disse...

Título de um filme muito bom... eu o tenho aqui.

Hilda Hist é maravilhosa, mas morreu sem reconhecimento.

Morganna, menina, volte a postar por aqui!


Beijo meu.